Notícias

Registre-se

You need to enable user registration from User Manager/Options in the backend of Joomla before this module will activate.

Login

Competição aconteceu de 6 a 22 de outubro. Resultado saiu no dia 30 de outubro.

No último dia 30 de outubro, o Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Feira de Santana (SindiFeira de Santana) anunciou os vencedores do Festival Roda de Boteco. A competição, que tem o apoio da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA), aconteceu no período de 6 a 22 de outubro e contou com a participação de 20 estabelecimentos instalados no município baiano, que ofereceram petiscos criados especialmente para a avaliação do público.

Os botecos premiados foram o Stop Nil – Santa Mônica (1º lugar), Kitas Pizza  (2º) e Cantina da Dinha (3º). Esses estabelecimentos conquistaram a maior pontuação nos quesitos melhor tira-gosto, temperatura da bebida, atendimento e higiene, segundo avaliação do público.


Além das casas, o Roda de Boteco premiou também os melhores garçons, eleitos por voto popular. Quem levou o primeiro lugar foi João Carlos  Santos Souza, do restaurante A Vendinha. Danilo Silva dos Santos, da Pizza na Pedra ficou com a segunda colocação e Cleide Moraes de Oliveira, da Cantina da Dinha, com a terceira, que  receberam prêmios nos valores de R$ 1 mil, R$ 750 e R$ 500, respectivamente.

“No Roda de Boteco, quem decide quais são os melhores estabelecimentos da cidade são as pessoas que mais entendem do assunto: os botequeiros de plantão”, observa o presidente do SindiFeira de Santana, Getúlio Andrade, ressaltando a isenção do concurso.




Evento foi promovido pelo Sehav  marcou o encerramento do ciclo do Rota do Sabor Gourmet 2017

Para finalizar o ciclo do Rota do Sabor Gourmet 2017, o Sindicato Empresarial de Hospedagem e Alimentação de Varginha (Sehav) promoveu no dia 13 de novembro a palestra Recentes Alterações das Normas Trabalhistas. O evento foi realizado em parceria com o Sindicato do Comércio Varejista de Varginha (Sindvar) e o Senac.

O palestrante Pablo Oliveira levou para o público, formado por empresários, contabilistas e colaboradores das áreas de recursos humanos, as principais mudanças e impactos da reforma trabalhista para o setor gastronomia e hotelaria. Na ocasião, foram esclarecidas as principais dúvidas dos empresários referentes a assuntos como jornada de 12 X 36 horas, férias, banco de horas, jornada de trabalho, contrato intermitente, acordo de demissão, contribuição sindical, acordos e convenções coletivas de trabalho, entre outros.

O presidente do Sehav, André Yuki, ressalta a importância de preparar os empresários e os empregados sobre as mudanças introduzidas pela Reforma Trabalhista. “A nova legislação aumenta a responsabilidade nas negociações e irá melhorar a relação entre o setor patronal e o laboral. As alterações vieram para ajudar muito os dois lados”, argumenta Yuki.

Projeto de lei que altera o Código Tributário do Município atende uma reivindicação da rede hoteleira da cidade

Fortaleza deve se tornar a primeira cidade brasileira a cobrar impostos de plataformas de hospedagem, como o Airbnb. A Câmara Municipal da capital cearense aprovou, nesta quinta-feira (16), a inclusão de uma emenda que trata do assunto no Projeto de Lei Complementar 044/2017, que trata da alteração do Código Tributário do Município.

A medida atende uma reivindicação do trade turístico da cidade encampada pelo Sindicato Intermunicipal de Hotéis e Meios de Hospedagem no Estado do Ceará (Sindihotéis Ceará) que atuou fortemente pela sua aprovação. A emenda inclui um parágrafo, que lista os serviços que devem ser taxados com o Imposto Sobre Serviço (ISS), citando a “intermediação de hospedagem e disponibilização de hospedagem em imóveis de fins de residenciais mediante remuneração, com ou sem a presença do morador no imóvel”.

“Queremos que Fortaleza seja um exemplo para o mundo, onde cerca de 300 cidades já regulamentaram o Airbnb. Não consideramos justo que a hotelaria recolha impostos e essas plataformas sigam atuando sem serem taxadas”, afirmou o presidente do Sindihotéis Ceará, Manoel Linhares.

O projeto segue agora para ser sancionado pelo prefeito de Fortaleza, Roberto Claudio.

Promovida pela CNC, iniciativa visa ampliar os negócios nas áreas de comércio, serviços e turismo entre Brasil e Portugal

O presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA) e do Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade (Cetur) da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turimso (CNC), Alexandre Sampaio, participa esta semana de uma missão empresarial promovida pela Confederação a Portugal. O grupo de empresários e técnicos da CNC participaram na segunda-feira (13) das II Conferência de Lisboa sobre o Acordo União Europeia – Mercosul, que tratou sobre acordo de livre-comércio, serviços e turismo e oportunidades de negócios para o Brasil na Europa.

A participação no evento foi a convite da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) e da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Brasileira (CCILB). Após a conferência, a missão brasileira participou de um encontro com o presidente da CIP, Antônio Saraiva, para a assinatura do Acordo de Cooperação Técnica CNC-CIP. O acordo tem o objetivo de aproximar as duas entidades, visando a troca de informações, experiências, suporte estatístico e apoio mútuo na recepção de delegações de empresários portugueses, e para que possam ser levados outros empresários interessados em fazer negócio com Portugal.

No encontro, Alexandre Sampaio entregou material de divulgação da FBHA, e informou que estão sendo realizadas várias ações para melhorar o ambiente de negócios no setor do turismo no Brasil, respondendo a questionamento do presidente da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Brasileira, Francisco Nabo sobre o mal aproveitamento do imenso potencial natural e cultural do país. Sampaio citou a flexibilização dos vistos, a criação de vistos eletrônicos, a modernização da Lei Geral do Turismo, a abertura de 100% do capital estrangeiro para as empresas aéreas e a criação das zonas de exportação turística, nas costas brasileiras, a fim de atrair investidores para instalar resorts. Destacou ainda a necessidade de incentivo às operadoras na Europa de promover o destino Brasil.

O presidente da FBHA participou ainda de uma reunião na Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, quando foi assinado protocolo de intenções para acesso a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (Ahresp) para possíveis cursos de escultura de açúcar no Brasil para fins decorativos em banquetes, eventos e buffets. Alexandre Sampaio também fez uma visita à CBRE/Richard Ellis para avaliar o mercado hoteleiro e imobiliário de Portugal junto com a consultoria turística Neoturis.


Evento será realizado em parceria com a OAB e a Associação comercial do município goiano

Em parceria com o Sindicato de Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares de Caldas Novas e Rio Quente (Sindihorbs) e a Associação Comercial e Industrial do município (Acican), a Comissão de Direito Empresarial da OAB Subseção de Caldas Novas realiza no próximo dia 20 o 1º Workshop Solidário.

O advogado e professor de direito e processo do trabalho, Rafael Lara Martins, ministrará palestra sobre o tema A Reforma Trabalhista e os impactos no dia a dia do empresário. O início da palestra, que acontecerá na sede da OAB, está previsto para as 19h.

Para participar, deve ser feita a doação de 2 Kg de alimento não perecível que será direcionada para ajudar as famílias carentes da região das Águas Quentes de Goiás. Mais informações pelo telefone (64) 3453-1735.

Promovido pelo Sindha, o evento está em sua 3ª edição e contará com a participação de grandes nomes do turismo, hotelaria e gastronomia

No próximo dia 22, grandes nomes do turismo, hotelaria e gastronomia estarão em reunidos em Porto Alegre durante o 3º Fórum de Hospedagem e Alimentação, promovido pelo Sindicato de Hospedagem e Alimentação de POA e Região (Sindha). O evento, que será realizado no Centro de Eventos Plaza São Rafael, tem confirmadas as participações, dentre outros, dos chefs Rodrigo Oliveira e André Mifano, além do jornalista Roberto D’Ávila e o senador, Cristovam Buarque.

O Presidente do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), Vinícius Lummertz, e o Presidente Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA) e do Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade (Cetur) da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Alexandre Sampaio, também estarão presentes no Fórum que tem como propósito colocar o turismo, alimentação e educação no centro dos debates.

Segundo dados do Conselho Mundial de Viagens e Turismo, o segmento é responsável por 3,2% do PIB nacional. Só em 2016, o setor empregou diretamente 2,5 milhões de pessoas, o equivalente a 2,8% do total de empregos no país. Em Porto Alegre, de acordo com dados levantados pelo Sindha, o número de empregos diretos giram em torno de 40 mil, contabilizando os setores de hotelaria e gastronomia, segmentos que compõem o setor do turismo. “Esses dados reforçam a importância destes segmentos para a economia de uma cidade. O Fórum integra o setor de Hospedagem e Alimentação ao tema, apresentando tendências e perspectivas para o seu crescimento”, destaca o Presidente do Sindha, Henry Chmelnitsky.

O Fórum de Hospedagem e Alimentação foi divido por painéis segmentados por áreas. O senador, Cristovam Buarque, abre o primeiro painel falando sobre educação e a retomada da utopia do desenvolvimento com justiça social. O jornalista da GloboNews, Roberto D’Ávila, foi escolhido como mediador para enriquecer ainda mais o debate sobre a educação no Brasil.

Para tratar sobre o Consumidor 2020, o Sindha traz a Consultora em food design e Embaixadora do projeto Food Revolution da Fundação Jamie Oliver, Ágata Morena Britto; o profissional da empresa Pmweb, Augusto Rocha, que presta serviço de marketing cloud e data driven. A mediação fica por conta do Presidente do Sindicato de Hotéis de Porto Alegre (SHPOA), Carlos Henrique Schmidt.

Este ano, o Fórum terá dois painéis para tratar da alimentação. Para falar sobre as inovações no setor, o Sindha escolheu o chef André Mifano, eleito como Chef do Ano pela Folha de S. Paulo e um dos mentores do reality show gastronômico The Taste Brasil, do canal fechado GNT; a Chef gastronômica e Banqueteira, Neka Mena Barreto; e a Gastrônoma e ativista do Movimento Slow Food, Jussara Dutra. O coordenador de projetos de indústria, comércio e serviços de alimentos e bebidas no Sebrae, Roger Klafke, fará a mediação.

Já o painel que tratará sobre o empreendedorismo e transformação do negócio de alimentação, terá a presença de um dos mais renomados chefs da gastronomia brasileira, Rodrigo Oliveira, proprietário do restaurante Mocotó, de São Paulo; do Fundador e Diretor da revista Prazeres da Mesa, Georges Schnyder; e da Responsável por alguns dos mais tradicionais restaurantes de Porto Alegre e Proprietária do Al Dente Ristorante, Eleonora Rizzo. A mediação fica por conta do colunista da Folha de S. Paulo e jornalista especializado em gastronomia, Josimar Melo.

O presidente da Embratur, Vinícius Lummertz, e o Presidente do Cetur/CNC, Alexandre Sampaio, abordarão como o turismo pode ser visto como fonte de desenvolvimento. O diretor de turismo do Rio Grande do Sul, Abdon Barretto, fará a mediação do painel.

Para encerrar a programação do 3º Fórum de Hospedagem e Alimentação, os empresários brasileiros Ricardo Amaral, idealizador de bares, boates e clubes noturnos badalados do Rio de Janeiro, São Paulo, Nova Iorque e Paris, e Paulo Marinho, empreendedor de bares e boates famosas de São Paulo, vão falar sobre os negócios de entretenimento no passado, presente e futuro.

O evento é aberto ao público. Sócio Sindha tem entrada gratuita e limitada a dois ingressos por CNPJ; não-sócio Sindha, mas com empreendimento no setor, o valor é de R$ 50; e para o público geral a entrada é R$ 70. Mais informações pelo telefone (51) 3225.3300.

Terça, 14 Novembro 2017 14:31

Reforma Trabalhista. O que muda?

Em série de postagens no Facebook e no Twitter, a FBHA esclarece as mudanças na legislação trabalhista que entraram em vigor em novembro.

Sancionada no dia 13 de julho pelo presidente da República, Michel Temer, a Reforma Trabalhista entrou em vigor no dia 11 de novembro trazendo uma série de novidades nas relações entre patrões e empregados. Questões como jornada de trabalho, rescisão contratual, banco de horas e tempo na empresa sofreram modificações na legislação que entrará em vigor a partir de novembro.

Apesar das novas modalidades de contratação contempladas, a convenção coletiva das categorias sempre se sobreporá à lei. A lei trouxe a obrigação de uma quarentena de 18 meses para impedir que trabalhadores sejam demitidos e recontratados como terceirizados. Esses funcionários deverão ter as mesmas condições dos contratados, o que se estende para casos em que são oferecidos planos de saúde, alimentação, transporte, entre outros.

Quanto aos contratos de trabalho intermitente, o trabalho remoto, por tempo parcial e autônomo, a Reforma Trabalhista veio contemplar formas mais seguras de contratação. Considerando a necessidade de esclarecimentos sobre esse novo cenário, a FBHA lança uma série de postagens no Facebook e no Twitter sobre o que muda com a Reforma Trabalhista, com comentários da assessora jurídica Lirian Cavalheiro.


Férias

O fracionamento de férias já era possível para servidores públicos e em alguns estatutos de empresas públicas e sociedades de economia mista, somente sendo vedado para grande maioria dos trabalhadores no pais. Por isso, o fracionamento das férias é um grande avanço para que empregado e empregador regulem suas relação de trabalho, adotando as formas de descanso anual que melhor lhes convier, sem qualquer interferência de terceiros, quer seja sindicato, Superintendência Regional do Trabalho, Ministério Público do Trabalho ou Justiça do Trabalho. Nesse texto da reforma, foi adotado o princípio da auto-regulamentação das partes nas relação de trabalho.




Homologação da rescisão do contrato de trabalho

O Contrato de Trabalho ocorre entre as partes. Nada mais correto que sua rescisão se dê da mesma forma, como ocorrem em todos os demais contratos existentes no país. O órgão competente que deve ser comunicado é a Superintendência Regional do Trabalho, mediante protocolo simples, anunciando a rescisão. Nesse momento, o governo trabalho com um sistema eletrônico de informação, na forma do e-social dos domésticos para facilitar as informações, sem necessidade de descolamento do empregador.




Data do pagamento das verbas rescisórias

O prazo para pagamento de qualquer tipo de rescisão contratual será de 10 dias corridos a partir do término do contrato, não havendo mais datas diferentes dependendo do tipo de rescisão. Isso melhora a organização do Recursos Humanos e da Contabilidade das empresas.




Local da rescisão do contrato de trabalho

Com a nova legislação, a contratação e a rescisão ocorrerão da mesma forma, no local designado pela empresa, simplificando o processo.




Prazo para quitação das verbas rescisória

Com a unificação do prazo de quitação das verbas rescisórias, haverá maior segurança jurídica, evitando, assim, possíveis multas por quitação em data equivocada.




Horas in itinere

Essa parcela foi criada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST), sem qualquer previsão legal, inclusive causando sérios problemas para os empregados, pois muitos deixaram de receber o transporte por parte da empresa, devido a essa súmula, que criava um ônus para a empresa que propiciasse um melhor transporte para seu empregado. 




Banco de horas

A Reforma Trabalhista possibilita que muitos dos direitos e obrigações decorrentes da relação de emprego sejam negociados diretamente entre empresa e empregado. Esse é o caso do banco de horas com prazo máximo de compensação de 6 meses, somente sendo necessária a intervenção dos sindicatos se as empresas e empregados tiverem interesse que o prazo máximo de compensação seja de um ano.




Acordo e convenção coletiva - prevalência

A modificação trazida pela Reforma Trabalhista privilegia os acordos coletivos que são feitos pela empresa com o sindicato laboral sobre os feitos por ambos os sindicatos, atendendo assim a peculiaridade de cada empresa.

 

Súmulas

A Reforma Trabalhista traz segurança jurídica, pois veda a criação de normas ou restrição desta pela Justiça do Trabalho. Antes, muitas das vezes, o empregador dormia sem nenhum passivo e acordava com passivos retroativos a 5 anos.

 

Grupo Econômico – Responsabilidade Solidária

Agora, os investidores terão mais segurança jurídica de ingressarem em empresas, sem que essas sejam consideradas grupo econômico de outras somente por identidade de sócios.




Tempo à disposição do empregador

Com a previsão em lei do que é tempo à disposição do empregador, os participantes das relações de trabalho terão maior segurança para definir o real horário de trabalho dos empregados, não sendo cabível mais criações fictícias de jornadas sob a denominação de tempo à disposição do empregador, como ocorria antes da entrada em vigência da Reforma Trabalhista.





Situação do sócio retirante da empresa

Os empresários tinham sérios problemas em vender seus negócios, pois apesar de não responderem mais civil e tributariamente pela empresa a qual havia vendido depois de um tempo, no que tange às relações de trabalho, essa responsabilidade perdurava por anos, sendo que o empresário por vezes desconhecia o processo e tinha suas contas bloqueadas pela Justiça do Trabalho, sem sequer saber o motivo.

 

Prescrição Intercorrente

Mais uma mudança nas normas trabalhista visando a segurança jurídica de que o processo tenha um tempo máximo de duração, e que não fique indefinidamente parado sem prescrever.

 
Multa - Carteira de Trabalho

Como a Reforma Trabalhista trouxe várias novas formas de contratação e jornada de trabalho, não é cabível que empregados enquadrados nos art. 2º e 3º da CLT, sigam sem a CTPS assinada.


Trabalho em Regime Parcial

Criando diversas formas de executar trabalhos em regime parcial, isso propiciará que as empresas contratem empregados em jornadas diversas, de acordo com a necessidade do serviço e da produtividade de cada um, pagando proporcionalmente por isso.

 

Horas extras no trabalho parcial

Foram criadas possibilidade de horas extras em jornada de trabalho a tempo parcial em casos especiais, possibilitando a ampliação da adoção da jornada.

Segunda, 13 Novembro 2017 16:16

FBHA vence mais uma contra a CNTUR

TRT da 10ª Região negou ação que visava impossibilitar que a FBHA passe a abrigar em sua base o Estado de São Paulo

Pela terceira vez a Confederação Nacional do Turismo (CNTUR) e a Federação de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de São Paulo perdem a ação que ingressaram contra a Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA). A decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 10ª Região foi publicada no Diário da Justiça do Distrito Federal na última quarta-feira (8).

O objetivo da ação é impossibilitar que a FBHA passe a abrigar em sua base o Estado de São Paulo. O pedido já havia sido negado em primeira instância, no TRT e, agora, nos embargos que elas apresentaram.

As duas entidades ainda foram condenadas pelo Tribunal a pagar, cada uma, multa no percentual de 2% sobre o valor da causa, atualizado, para a FBHA por apresentarem recurso somente para causar demora no processo.

Confira a íntegra do processo.

Liminar suspendeu vigência de decreto que põe fim a benefício fiscal concedido a diversos setores, entre eles o de hospedagem e alimentação

Quebradeira geral e demissão em massa. É o que prevê os empresários goianos como reflexo do decreto nº 9.075 publicado no último dia 26 de outubro pelo governo de Goiás que extinguiu os benefícios fiscais previstos no decreto nº 4.852, de 1997.

A medida entrou em vigor no dia 1º de outubro e causou reação das entidades empresariais, entre eles o Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Goiás (Sindhorbs), o Sindicato de Bares e Restaurantes do Município de Goiânia (Sindibares) e o Sindicato de Hotéis de Goiânia (Sihgo), filiados à Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA), que publicaram uma carta aberta nos principais jornais do Estado repudiando a decisão do governo.

No caso do setor de hospedagem e alimentação, a medida causou impacto ao pôr fim à redução da base de cálculo do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) das refeições de 17% para 7%.  “Isso representa um aumento de 142% na alíquota, o que levará a um aumento em torno de 20% nos preços ao consumidor, o que vai provocar queda nas vendas e, consequentemente, fechamento de empresas e demissões de colaboradores”, avalia Newton Pereira, presidente do Sindibares.

Luciano de Castro Carneiro, presidente do Sihgo, considera absurda a medida que gera impacto nos hotéis que possuem restaurante em sua estrutura, sendo mais um fator que onera a operação. “Enquanto isso, o governo do Distrito Federal anunciou a concessão de benefícios fiscais a uma série de segmentos”, observa.

Um resultado da mobilização dos empresários, foi a suspensão da vigência do decreto por força de liminar. Além disso, nesta quarta-feira (8), o governador Marconi Perillo recebeu as lideranças empresariais para discutir o tema, sinalizando com a possibilidade de acordo.

Na próxima terça-feira (14), haverá uma reunião dos empresários com os conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE) para encontrar alternativa ao decreto. Até lá, os técnicos da Secretaria da Fazenda e os empresários e os empresários se reúnem para debaterem juntos essas alternativas.

Estudo da CNC aponta queda de R$ 657 milhões nas receitas do turismo fluminense provocada pela criminalidade

O aumento da criminalidade no Rio de Janeiro provocou uma queda de R$ 657 milhões nas receitas do turismo fluminense entre janeiro e agosto de 2017, segundo aponta um estudo da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O montante equivale a 29% do total da perda do faturamento do setor (R$ 2,291 bilhões).

Embora fatores relacionados à conjuntura econômica ajudem a explicar a queda de atividade no turismo fluminense, a pesquisa aponta a contribuição negativa do aumento da violência no Rio de Janeiro para a recuperação do setor, que responde por mais de 9,9% dos postos de trabalho formais do Estado e por aproximadamente 7% da economia fluminense.

A perda de receita relatada (R$ 657 milhões), que equivale ao faturamento de 8,9 dias do turismo local, impactou de forma mais significativa o segmento de bares e restaurantes (R$ 332,1 milhões, o correspondente a 50,3% do total), seguido pelas atividades de transportes, agências de viagens e locadoras de veículos (R$ 215,5 milhões, ou 32,6%), hotéis, pousadas e similares (R$ 97,7 milhões, ou 14,8%) e por atividades culturais e de lazer (R$ 14,7 milhões, ou 2,2%).

Para o presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA) e do Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade (Cetur) da CNC, Alexandre Sampaio, apesar dos dados levantados pela Confederação, algumas iniciativas podem ajudar na recuperação do segmento. “De modo geral, e principalmente no Rio de Janeiro, os governos devem fortalecer iniciativas de apoio à segurança pública, com a mobilização de todos os recursos disponíveis, tais como forças auxiliares, inteligência estratégica, troca de informações entre as autoridades de diversos níveis campanhas de mobilização social”, afirmou Sampaio.

Para o presidente da FBHA, para ser uma alternativa para a retomada da economia, o turismo precisa avançar em diversas frentes, como na transformação da Embratur em agência para ampliar a divulgação dos destinos brasileiros, e em mudanças que facilitem investimentos, como a criação de zonas de exportação turística e a ampliação do número de países com visto eletrônico. “A liberação dos cassinos, por exemplo, será um ganho para o Estado do Rio e para o País. São iniciativas que não dependem de investimentos do poder público e podem gerar empregos, o que, sem dúvida, refletirá nos índices de criminalidade”, observou.

Pagina 4 de 149
banner01.jpg




Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades sobre a indústria e mercado.







Consulte aqui todas as edições da newsletter.

 Notícias/Artigos

 
Leia
legislacao

Clipping

Principais matérias e reportagens, publicadas nos veículos de comunicação de maior circulação do país.
Conheça